Esta é uma publicação mensal da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano que traz a público, pela internet, análises sintéticas sobre um leque de temas variados, de interesse para a cidade de São Paulo. São estudos elaborados sobre dados demográficos, sociais, econômicos, de uso do solo, sempre sob a ótica da dimensão territorial, ou seja, da manifestação desses temas no espaço urbano.

Em queda de 20% parcela de jovens que não estudam nem trabalham chega a 540 mil

16.03.2017

 A Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento acaba de publicar um estudo sobre os jovens paulistanos que não estudam e nem trabalham, elaborado a partir dos dados de escolaridade, matrículas e frequência escolar (Censos Demográficos 2000 e 2010 do IBGE e Censos Escolares MEC/INEP) relativos à população jovem (15 - 29 anos) da cidade de São Paulo e que levanta aspectos do término do período da escolarização relacionados com a transição à vida adulta.

 Entre 2000 e 2010 houve um crescimento de 17% no total da população na faixa etária entre 18 e 24 anos com ensino médio concluído. Entretanto, a universalização do ensino médio ainda está longe de ser alcançada, uma vez que em 2010 apenas 57,2% do citado grupo etário havia concluído esta etapa de ensino.

 O estudo lança luz sobre a situação dos 540 mil jovens paulistanos (aproximadamente 1/5 do total) que, além de não estudarem, tampouco trabalhavam em 2010 (grupo denominado nem-nem). As mulheres representam 60% deste grupo, condição possivelmente relacionada à permanência de muitas jovens em papeis tradicionais de esposa e mãe, abdicando à escolarização e à vida profissional. Evidenciou-se também a desigualdade social como um fator determinante no acesso ao ensino e ao emprego, dado que as regiões mais periféricas e com piores indicadores de renda domiciliar apresentam também as menores taxas de escolarização e de inserção no mercado de trabalho.


  • Visualizar PDF